domingo, 17 de junho de 2012

Verso Branco


Não há outonos nos teus versos
pobres
singelos
honestos

Há branduras tantas que confesso
são humanos
desconexos
serenos

Soneto de versos brancos, solto em vento
derramado num silencio de lamento
chorado por cotovias de plantão



KIRO MENEZES



4 Opiniões:

Arnoldo Pimentel disse...

Ilndos e inspirados seus versos.Beijos.

Fernanda Curcio e Leonardo Macedo disse...

Poema cheio de musicalidade.Adoro a sensibilidade que a natureza traz para as nossas vidas, para os poemas, em forma metaforizada.

Fernanda

Catia Bosso disse...

Que saudae!!!!

Apareça, ao menos para uma taça de champanhe... rs

bjsMeus
Catita

Bruno Gaspari disse...

Lindo, lindo, lindo!
Feliz por achar seu blog =)

Abraço